quarta-feira, 23 de junho de 2010

Esperancices


"Que as borboletas sejam azuis. Que o sol vá sempre comigo no bolso. Que as pessoas tenham humores interessantes. Que eu nunca tenha medo de tirar com as mãos as ervas daninhas e pragas das hortas. Que eu siga duvidando. Que eu siga colorindo. Que eu siga aromatizandoc. Que eu saiba ferver água com perfeição. Que eu preserve o gosto pelas coisas mais simples do dia-a-dia. Que a poesia nunca morra dentro de mim, por mais que a esperança esteja por um fio. Que pequenos gestos façam, para sempre, toda a diferença. Que os meus medos não me consumam. Que os valores sempre se renovem. Que a essência nunca morra. Que eu siga gostando de sentir os meus pés tocando as nuvens e, por hora, o chão. Que eu seja sempre despida de protocolos. Que eu nunca deixe de cultivar o meu jardim. Que as minhas flores nunca murchem. Que eu nunca deixe de sentir paz ao olhar o horizonte. Que as músicas continuem sendo perfumadas. Que as crianças continuem sendo espontâneas. Que eu nunca deixe de transbordar ao ler Clarice Lispector transbordando. Que as estrelas sempre apareçam para mim. Que eu possa espalhar algum pozinho de pirlimplimplim por ai. Que eu consiga manter a espinha ereta. Que eu consiga erguer novamente os meus castelos. Que eu nunca deixe de sonhar. Que as amoras nunca me deixem."

(Lia)


Nenhum comentário: