segunda-feira, 15 de julho de 2019


"Você tem noção de tudo o que fez nesse ano pra seguir em frente com a sua vida - do jeito que deu, do modo como foi possível aos seus recursos, da forma necessária à sua realidade? Você já parou pra avaliar o quanto andou?! Pois, pegue um papel e faça esse levantamento: quais motivos você tem pra agradecer? O que você fez de mais significativo? Que sensações quer levar? É bem importante ter esse olhar apreciativo a respeito de onde você estava no começo do ano e onde está agora, mesmo que pareça que você não saiu do lugar. Porque isso não é verdade! Você viveu e deve ter momentos, experiências e encontros que a tocaram positivamente de alguma forma ao longo desses meses. Eu sei que foi um ano bem doido, até esquisito, do ponto de vista do contexto geral, e que isso tem impacto nas nossas circunstâncias. Mas estamos aqui, não é mesmo? Como você vai se apropriar das suas pequenas vitórias? E qual vai ser o seu grande motivo pra prestar seu reconhecimento a você mesma? Coloque a função crítica um tantinho de lado agora, amiga. Ao mesmo tempo em que ela ajuda a melhorar o que você pode, se passar da medida, ela pode tirar de você o gosto pelo que você já faz de bom e daquilo que fez pela primeira vez e, viva!, deu conta de fazer, apesar de qualquer coisa. Pois, que tal sair aí desse cantinho onde mora a sua sombra e deixar que a sua luz e a sua alegria se exibam um tantinho? Quero sorrir e brindar com você! Vem comigo?" ❤️

sexta-feira, 12 de julho de 2019

terça-feira, 9 de julho de 2019

"Boas coisas acontecem, apesar das coisas que nos deixam cansadas, irritadas e tristes. Olhe bem pra sua vida agora e faça esse inventário: onde você deveria colocar sua atenção e sua gratidão neste momento? A sua energia é uma só, amiga, e ela é potencializada (ou esvaziada) na medida em que você cuida, pra mais ou pra menos, da qualidade dos seus pensamentos a respeito dessa vida que você já tem. Se o que você vê e valoriza é só o céu cinza lá fora e a impossibilidade de dar um passeio na rua porque parece que vai chover, talvez você esteja desprezando a oportunidade de chamar pessoas queridas pra um abraço ao redor de um café quentinho e de um bom papo - na sua casa. Se o que você vê é só o que deu errado, o que não cumpriu a expectativa, o que faltou, talvez você não esteja se conectando com o que é possível, viável é razoável na sua realidade. A qualidade do que a gente pensa e as lentes que a gente usa pra explicar o que nos acontece (pra nós mesmas e pros outros) tem um impacto gigante na forma como a gente se sente e no que a gente acha que pode ou não fazer. Então, se você quer se sentir bem, se você quer se sentir leve e capaz de lidar com a sua vida na medida em que ela se apresenta pra você, desapegue do controle destrutivo e da tendência à lamentação. Module seus pensamentos pra ver o que dá pra fazer em vez do que deu “errado”. É puro desgate de energia e de tempo viver se apequenando assim. Seja mais criativa na forma de perceber o que pode ser, se for com o que você tem agora. Deve ter tantas possibilidades escondidas aí! Exercite o improviso. Relaxe de querer dias perfeitinhos (e talvez repetitivos e previsíveis e pesados e um tanto sem graça?). Prefira os dias que chegam surpreendendo você. Coisas boas acontecem o tempo todo. Pequenas coisas boas acontecem aos montes! Não deixe seu olhar e seu pensamento procurarem só as coisas ruins. Elas fazem parte, e é só. Elas não são tudo que há pra você." 🙏

sábado, 6 de julho de 2019


"Acho, só acho, que tem gente que gostaria de passar pela vida sem entrar em contato com o que sente, como se fosse possível viver apenas pensando e fazendo as coisas sem ser afetada por elas. Não sentir pra não se incomodar me faz pensar em uma estratégia de sobrevivência totalmente relacionada à escassez. Tipo viver com pouco pra não ter que se comprometer em buscar mais pra si mesma, sabe? Se você pretende se apoderar da sua história de vida (pra ganhar amplitude e outras possibilidades), comece a prestar atenção no quanto você se permite sentir o que vem junto com ela. A nossa história é uma coleção de eventos. Alguns nos causam alegria. Outros, raiva. Alguns, dor. Outros, vergonha. Alguns, satisfação. Outros, paz. E por aí vai. Bom ou ruim, isso tudo é nosso. É tudo oportunidade de sentir uma infinidade, inclusive apego, paralisia, um tipo de grude que nos faz ficar ligadas ao que passou como se não pudéssemos nos definir a partir de outro ponto, outro acontecimento. Eu proponho que você faça um exercício: uma linha do tempo com os eventos mais significativos da sua vida, os primeiros que vierem à cabeça. Sinta o que sentir a respeito de cada um. Anote o que vem. E anote também o que aquela situação ensinou pra você sobre o modo como você funciona. E como se relaciona ou não ao que você está pensando a respeito do que vive agora. Experimente também olhar pra essa coletânea de momentos com gratidão pelo que passou e proporcionou que você chegasse onde está. Sinta a sua vida e o que mais você quiser (ninguém tem nada a ver com isso, tá?). Sinta profundamente. Com a certeza de que sentimento vem, mas a gente pode modular depois, não é algo dado, estático e, principalmente, feroz. Sentimento é uma parte da história. Você é o todo: sinta o quão bonito é ser você." 💛

sexta-feira, 28 de junho de 2019


"O mundo precisa do melhor de nós! O mundo precisa de pessoas que acreditem que podem fazer a diferença e que façam. Espero que nossa semana seja melhor do que a passada. E que a esperança nunca morra. Vamos juntos!" 🖤

segunda-feira, 22 de abril de 2019

quarta-feira, 17 de abril de 2019

"Você tem noção de tudo o que fez nesse ano pra seguir em frente com a sua vida - do jeito que deu, do modo como foi possível aos ...